Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irmão lúcia


Segunda-feira, 11.09.17

state of the art: twin towers

twin towers.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 21:21

Quarta-feira, 06.09.17

cadernos de leitura #4

relogio.png

ler como se tivesse sido transportado para outro tempo, em jeito de mergulho no século XX. diga-se a verdade, nunca morri de amores por colto maltese e pelas histórias de hugo pratt mas a matéria-prima de que faz esta autobiografia em modo entrevista é especialmente rica. pratt parece ser mais interessante do que as suas personagens, mesmo que o fio da sua história contenha passagens a roçar o inverosímil. tanto melhor, que mau seria se só fôssemos feitos de verdade e memórias lineares. este homem habitou de facto outra época, foi um aventureiro, cortou a direito com a herança familiar do fascismo sem renegar os amigos que andaram de camisa negra quando esse era o zeitgeist. amou, viajou, teve filhos, bebeu, foi feliz na sua profissão, guardou muitas histórias para contar, muitas vezes melhores do que a ficção. o que se pode querer mais? também transportou consigo uma parte da alma do seu tempo que hoje faz torcer o nariz a muitos leitores. pelo menos a mim torce-o sem apelo. traços de marialvismo carregado de poeira, que pelo menos não se dá ao trabalho de disfarçar. em suma, vida invejável, ainda por cima ilustrada. chapeau, ou melhor, cappello, signore pratt.

 

edição relógio d'água

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 19:16

Segunda-feira, 04.09.17

Sandro assevera

estes norte-coreanos são tão beras que qualquer dia estamos a convidá-los para aderirem à CPLP.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 15:29

Quarta-feira, 30.08.17

cadernos de leitura #3

 

35111651.jpg

um dia na vida de... melhor, um dia na morte de um homem. de um jovem. 24 horas que dão corpo a um romance escrito de forma clínica, que corta cerce, sem gorduras nem sentimentalismos, numa reflexão muito bem tecida acerca da perda. a forma como lidamos, ou não, com ela, aquilo que define a vida e a morte, o modo como o próprio homem a define. e a metáfora do coração, tão estafada, tratada de forma superior. as personagens boiam numa espécie de vigilância, cada um no seu tempo e espaço que, à força da vida em comunidade, são partilhados aqui e ali com terceiros. terceiros mergulhados na dor e no espanto, gente que tem por missão alimentar o ciclo da vida, personagens que assistem mais ou menos de perto ao teatro da vida. a questão do transplante, eminentemente filosófica, atravessa o romance. a memória e a ausência também. a morte varrida do espaço público, sacrificada ao bom gosto do social contemporâneo. morremos sozinhos, a vida dos outros continua, e não há romance ou obra arte que resolva esse problema. este livro, drama pacificador, ronda lá perto.

edição teodolito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 13:02

Terça-feira, 29.08.17

state of the art: bloco de actividades andré ventura

bloco de acitivdades.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 15:14

Sexta-feira, 25.08.17

cadernos de leitura #2

imagem.jpeg

um libelo contra a exploração e o capitalismo, passe a redundância, escrito em 1970 mas embaraçosamente actual. ainda assim, este ensaio político engajado não permite desfrutar da elegância da escrita de Galeano, servindo antes como um panfleto com mais corpo e muitas histórias ilustrativas. lendo este livro entendemos também o papel das figuras providenciais e dos anseios por líderes que restituam a dignidade aos povos da américa latina, depois de séculos de rapina e abuso sistemático, mesmo internamente. por exemplo, ajuda a perceber o que se passa em países como a venezuela, sobre a qual tanta gente fala de cátedra e a preto e branco. por exemplo, foi você que pediu um "caracazo" como o de 1989? nessa altura haveria menos deputados portugueses preocupados com a sorte - e o azar - daquela gente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 21:29

Sexta-feira, 18.08.17

sobral de monte agraço já tem um parque infantil.

e graças ao terramoto terá uma baixa pombalina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 11:57

Quinta-feira, 17.08.17

state of the art

IMG_1899.JPG

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 16:02

Domingo, 13.08.17

Sandro constata

Soup-Nazi-Banner.jpg

os nazis na américa tinham mais graça quando se ocupavam das sopas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 13:41

Sábado, 12.08.17

cadernos de leitura #1

image.jpeg

 um entre milhões. um retrato entre milhões que poderiam ser feitos dos homens e mulheres quebrados pelo Poder, com maiúscula. neste retrato em três andamentos, vemos (lemos) a vontade dobrada de chostakovich retratada com ironia e amargura, como se estivéssemos a folhear o seu diário. aliás, é um romance que é um diário que é um ensaio, com muitas tonalidades de cinzento. porque não há virtudes absolutas nem homens impolutos nem sistemas perfeitos. aqui não há uma narrativa escorreita, não se trata de uma biografia ficcionada convencional. é antes uma espécie de colecção de aforismos, com a conhecida wit dos britânicos, em geral, e de julian barnes, em particular, que desafia temas como a literatura, o papel da arte ou monstros sagrados stratford-upon avon:

"E, no entanto, apesar disso tudo e da maneira sem paralelo como representava tiranos afundados em sangue até aos joelhos, Shakespeare era um bocado ingénuo. Porque os seus monstros tinham dúvidas, pesadelos, rebates de consciência, culpa. Viam levantar-se à frente deles os espíritos daqueles que haviam assassinado. Mas na vida real, ante o terror real, onde estão a consciência e a culpa? Onde estão os pesadelos? Era tudo sentimentalismo, falso optimismo, esperança de que o mundo fosse como nós queríamos que fosse e não como era".


um bom efeito colateral desta leitura - eu, ignaro, fiquei com muita vontade de conhecer a música de chostakovich, prokofiev ou stravinski. três homens que lidaram de forma distinta com o Poder. aquele Poder. três homens imperfeitos. a fechar, um poema-síntese que de Ievtuchenko que consta do livro e que o condensa na perfeição.


"No tempo de Galileu, um colega cientista
Não era mais estúpido do que Galileu.
Tinha plena consciência de que a Terra girava,
Mas também tinha uma família grande para alimentar".

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 12:12


pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D



subscrever feeds