Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irmão lúcia



Sábado, 13.10.07

grande gala 'azinheira spoken word', tomo 2

Ver a luz


Os meninos amanhavam-se com os cajados, três bordões de madeira talhados para mãos pequenas, que amassavam a folhagem e eram agitados no ar para apartar as cabras.
Os meninos também gritavam, uns com os outros e com o rebanho, comandando as bestas por entre o terreno bravio. Frio. Chegavam-se uns aos outros, abraçavam os agasalhos, botavam ar quente nas mãos pequenas, o rapaz arrotava as papas de sarrabulho tomadas de madrugada e as raparigas riam.
Os meninos com cajados, a gritar atrás das cabras, marcavam caminho com mijo quente, que mandavam para fora do corpo a tremer, de tempo a tempo. Queriam a caminha, o cheiro a sopa de feijão para o jantar, a latrina das fezes, o papá e mamã a limpar-lhes as remelas com saliva.
Andaram os meninos. Andaram as cabras. Revolveram-se as tripas à hora de manjar e, em rezando o terço ensinado pelas gentes da terrinha, levaram o cu ao chão para trincar o pão, sob a azinheira das pelotas e a luz. A luz. Os meninos puseram-se a olhar para a luz, a luz, que luz, a luz que faltava naquele dia de pastagem que não lembrava ao menino Jesus. As raparigas gemeram, assustadinhas, entrelaçaram as mãos e baixaram os olhos na direcção da merda das cabras. O rapaz peidou-se, mas foi do susto. E os anos passaram. Com os meninos a piarem fino, ajeitou-se a morte em passagem cá por cima e longe das cabras houve trupes de bolcheviques a marchar, marchar. Antes caiu um czar. E os anos passaram.

Sob a azinheira das pelotas e a luz, lembram-se, juntou-se pedra e empoleirou-se a cruz, levaram-se gentes para a bênção do capelão, gentes em ferida de sangue, a chafurdar na poeira. Outros meninos perguntam como é dado a sofrer por gosto nos mistérios da fé. E a luz, alguém viu a luz, a luz, que luz.


Hugo, inquilino do solvstäg

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 20:09



pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D