Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irmão lúcia



Terça-feira, 06.06.06

Crónicas ortográficas de um alfassinha

Que fossa é essa

domingo dia de pausa, missa e feira do livro, ao entardecer os terminais multibanco chilreiam, em competição com os pardais do jardim com falo no topo, com os seus pulmõezitos atabalhoados de fumos e túneis por acabar. pedro vieira, aka o ditador do falecido agridoce, entre outras referências pouco elogiosas, arma-se de três parceiras e galga a calçada à portuguesa até ao promontório provisório onde irá ser lançado o livro que conta a vidinha do Godinho, senhor de timbre mítico em cantado-falado, expondo misérias e paixões e lutas que foram embevecendo a malta ao longo dos anos. Às nove, hora da desdita anunciada, ainda o palco do auditório era tomado por sons africanos, era a iniciativa de música angolana com um trovador um pouco manco de afinações, isto é piada sem graça em terra de minas e armadilhas mas ao dito faltava-lhe a perna do dó a apoiar o ré e nós ala que se faz tarde, aí vão os quatro cirandar feira abaixo-feira acima, para fazer tempo e gastar trocos e sentir cheiro de farturas, cujo imaginário se me toldou ao longo dos anos quando o povo criou a analogia de uma grande moca de drogas, sinónimo de chuto com a seringa das ditas (farturas), o Ruca explicá-lo-ia melhor.
Perto das dez o regresso ao auditório, o "Sérgio" (como é bom ser familiar da tropa fandanga que vai à tv e coliseus) no exterior com ar de enfado, o Galopim escriba escolhido e apresentador anunciado a lamentar "pois, estamos em Lisboa", noutras terras não há atrasos, se calhar abaixo do Equador haverá alguns mas também lá há outros fusos e isso é outro paleio que não cabe aqui. No placo desenvolve-se surrealismo em ritmos afro, agora com novos-melhores protagonistas, o vocalista/baterista de serviço brada "mais palmas que eu não ouvo" ou "eu avisei, eu é fogo", o ritmo em crescendo, o senhor da APEL em fatuncho e gravata dos 300 a bufar de raiva e preocupação, os pretos a gingarem o povo da semi-bancada, o ritmo acelerado a roçar a apoplexia faz com que um maduro suba ao palco e solte a franga, isto é uma figura de estilo, a franga teve-a guardada mas ameaçou sodomizar uma coluna de som com ela escondida, fez belly dance de camisa arregaçada, bamboleou o traseiro como se disso dependesse a sobrevivência da espécie dos dançarinos espontâneos e o número acaba em arrebatamento da assistência. Entre aplausos e gargalhadas eu já berrava "só mais uma", dois ou três corroboravam, e o senhor da APEL com a fúria a rebentar-lhe o fatuncho pelas costuras e a esbracejar como quem diz "acabou", o povoléu a sair em catadupa, o Galopim e o "Sérgio" que já vão entrando, sem deixar que os patrícios arrumem devidamente a tralha, o consagrado pelos vistos já se esqueceu de quando não tinha roadies que lhe empacotassem a tralha num piscar de olhos. Sentados na mesa da honra com h pequeno, com ar blasé e vinho tinto a condizer lá vão iniciando a tal apresentação do tal lançamento, o "Sérgio" vai fazendo caretas e acenos aos pretos que nunca mais abandonam a sala, a arrastar tarolas e batuques pela alcatifa sintética, acho que nunca houve de outro tipo portanto chamemos-lhe apenas alcatifa. Os ruídos de arrumação atropelavam a prelecção do Galopim iniciada à pressão, ninguém se lembrou que os que agora saem também foram obrigados a actuar com atraso, dois retardatários passam à frente da mesa para levar a última conga e o "Sérgio", que já sentiu uma força nos dentes mas que agora é snob de pivôs e postiços chama a atenção à populaça e, escarninho, lança: "vejam, não percam este grande momento", os admiradores riem, a nós os quatro salta-nos a mola, saimos imediatamente perante o triste espectáculo do narciso que já tem a paz, o pão, a habitação, a saúde mas a quem vai faltando a educação.
Inoculado pelo conceito de dar um chuto com a seringa das farturas corremos antes para outro Cavalo, o de Ferro, e lá gasto mais umas economias sem pensar em biografados.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 15:31


1 comentário

De Anónimo a 06.06.2006 às 16:42

pois é, foi mesmo assim!
olha para compensar hoje comprei mais umas carteirinhas de cromos, acho que amanhã já há mais para a troca...

oldboss

Comentar post



pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D