Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irmão lúcia



Quarta-feira, 02.07.08

olha a blusinha linda, é a quinhentos, é a mili, é a miliquinhentos


assistir a um espectáculo da fanfare ciocarlia é garantia de duas horas passadas a dar à perna sem pensar no défice, na euribor e nos tiros para o ar em portimão, sobretudo se a banda vem acompanhada de primos de outros acampamentos, espanha, bulgária e antiga república jugoslava da macedónia, assim mesmo por extenso para não irritar ainda mais os gregos que andam a sofrer de otto rehagel, dizia, a fanfare dá tudo, o público, conquistado à cabeça, também, sacode, balança, na iminência da invasão de palco, susceptível de transformar-se a todo o instante na feira de carcavelos, as tubas sopram, a massa ulula, fazem-se solos desajeitados solos de metais mas tudo com muita alma e força na bochecha, e tudo se incendeia com o par de odaliscas que vai não volta se balançam rés-vés a assistência, provando com os seus monumentais seios que o molico e o nido estão condenados ao fracasso em bucareste e arredores, e ainda pudemos escutar um par de flamenguitos, que não são queijo, a debitarem dores e maleitas em castelhano, fazendo das guitarras óptimas caixas de percussão sempre que sufocavam as cordas com afinco, até me fez lembrar a classe média à portuguesa, abafada e martelada na tola no meio de grande entretém, e ainda assistimos ao número vocal de um alienígena misto de zucchero e raul indipwo, isto se o nosso melhor amigo das colónias tivesse nascido à beirinha do mar negro, e para acabar de vez com a cultura quatro faixas, QUATRO, na voz da imortal esma redzepova, trinado de sonho dos balcãs a fazer esquecer o pretedente ao trono câmara pereira e o seu cavalo ruço, a esma vestida como quem vai adorar iemanjá mas nós é que lhe ficamos prostrados aos pés, rendidos à maré de entusiasmo, à espera que a avalanche tzigani se repita e que se possam sacudir as banhas sem pudor, inclusive até aos passeios da avenida da liberdade, local onde o concerto acabou com o respectivo rodar de chapéu para recolher umas moedas extra. encerrava-se o maior espectáculo do mundo e penso: onze ou doze contos para ir ver o cirque du soleil? foda-se, não se metam nisso. aqui até as fatiotas são melhores.

texto publicado no blogue colectivo sinusite crónica

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 11:40


1 comentário

De Suzana com z a 02.07.2008 às 13:40

e assim falou o irmão!

Comentar post



pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D