Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irmão lúcia



Quarta-feira, 23.12.15

David

dizem que não se deve tomar decisões políticas de cabeça quente, ao sabor dos acontecimentos e dos holofotes e da demagogia, embora estaline, o próprio, tenha assumido que a morte de um indivíduo é uma tragédia, mesmo, ao passo que a morte de um milhão não passa de uma estatística, razão pela qual o hospital de são josé, pai adoptivo do menino, vai voltar a ter neurocirurgia cerebral a partir de janeiro, porque depois do aneurisma fatal, quer dizer, depois da casa roubada, trancas à porta, desculpa lá teres servido de metáfora da contemporaneidade, David, e nesta época de natal, que mais parece uma espécie de páscoa em modo filha da putice sem direito a ressurreição nem a esperança mas apenas a morte burra, malvada a sorte de quem cai no calvário por incúria dos incompetentes, dizia, nesta época de boa-vontade, de paz, harmonia e sodomia orçamental, o destino, que é irónico, mordaz, coloca num prato a salvação de um banco, que vai ser de todos nós, e no outro uma vida terminada de forma abrupta porque no país dos cofres cheios a realidade pesa sempre mais do que as ideologias, é verdade, o axioma do cavaco silva, crítico de bananas, está profundamente certo, porque foi preciso lermos a carta da namorada do David, real, para percebermos que há algo de muito errado na ideologia da mão invisível que fica à vista de toda a gente quando é necessário enfiá-la no bolso dos cidadãos, há algo de revoltante quando o estado encolhe nas garantias mas alarga nas exigências, há algo de monstruoso no ar quando se atiram culpas para o banco de portugal, que não passa de uma espécie de centro helen keller da finança, enquanto se assobia para o ar como se o desastre social em que nos enfiaram não existisse, mas convenhamos, se calhar pôr os olhos num caso isolado é atitude desonesta, é desprezar a floresta de bem-aventurança que herdámos da saída limpa, se calhar tudo isto é demagogia, logro, soberba de sofá, se calhar não é legítimo usar a morte de um homem como arma de arremesso político, porque o ideal até é viver (e fazer) a política como se os homens e as mulheres não existissem, só números e tabelas e promessas por cumprir, e resgates, e injecções de capital à custa dos contribuintes, porque atenção, isto estava mesmo a melhorar, estava mesmo, mesmo, mesmo a dar a volta, sinal de que ir além da troika valeu a pena, sobretudo sempre que decidimos não ter um problema grave de saúde ao fim-de-semana. dezembro de 2015 e este país cheira a podre. suponho que não seja das filhoses.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 00:38


2 comentários

De Silvio Alves a 23.12.2015 às 09:00

Em Janeiro de 2015: http://www.dn.pt/portugal/interior/s-jose-sem-tratamento-para-aneurismas-ao-fim-de-semana-4362363.html

De adelinoferreira45 a 29.12.2015 às 18:41

E dizia a pantomineira que os cofres estavam cheios e logo a famiglia acrescentava que: ao novo governo bastaria não estragar o que foi feito

Comentar post



pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D