Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

irmão lúcia



Segunda-feira, 09.01.17

soares

soares.jpg

 os grandes são assim, eles morrem e a gente põe-se em bicos dos pés, a falar de nós a pretexto deles, tentando abocanhar a nossa pequena parte da história. com o Soares nunca me cruzei, embora faça parte do nosso património colectivo, logo do meu. "foi ele que inventou os contratos a prazo", jurava a minha mãe com um esgar reprovador, logo ela que pouco falava de política à época em que eu era um menino de escola. corrijo. lá em casa não se falava de política, nem de sexo - aprendemos tudo por tentativa/erro - e de religião falava-se em registo louvor, porque havia uma oficial e inquestionável, "graças a deus muitas, graças com deus nenhumas", outra máxima da minha mãe, embora julgue que esta não tenha nada a ver com o Soares. a única política que havia lá por casa era a do trabalho, como diz a cantiga do outro, militância na família nunca houve e no máximo pode dizer-se que tanto do lado materno como paterno éramos essencialmente republicanos, no sentido em que os sobressaltos e as vidas de merda eram para todos. o meu pai, manguelas da praça da alegria, só falava de política para expor as iniquidades da ditadura, nomeadamente a obrigatoriedade da licença de isqueiro, que penalizava um profissional do fumo (3 maços de ritz por dia). não sei se gostava do Soares, do bochechas, não fui a tempo de perguntar-lhe. sei que gostava mais dos socialistas do que dos comunistas porque não tragava os revolucionários instantâneos que lhe surgiram à frente dos olhos na empresa de electricidade onde vergava a mola, embora houvesse lá por casa uma edição d'o marxismo-leninismo e o internacionalismo da classe operária. "o fulano, que era o maior engraxador do patrão, só falava em saneá-lo da firma". em 1986, sei que pai e mãe votaram no Soares na segunda volta, sem entusiasmo que transpirasse lá por casa, para não deixarem o país todo nas mãos da direita. para não darem a vitória ao facho, palavras deles. sei que gostavam do zenha e da pintassilgo, a minha mãe ainda hoje a admira, e sei que abominavam a imagem do candidato freitas aos mergulhos na piscina. na noite das eleições fomos para casa do tio fernando, assinante do avante que nunca falava abertamente de política aos miúdos - as tradições de família eram para cumprir - e sei que houve foguetes no ar. quando fomos à bica ao café las vegas em oeiras sei que o meu tio ia todo contente. talvez nos tenha oferecido um gelado, talvez não. era fevereiro, talvez não. eu fiquei feliz por simpatia, já o meu amigo ireneu ficou triste, os pais tinham vindo de angola e ele até tinha autocolantes do freitas que passeava na escola preparatória. o tempo passou, perdi o ireneu de vista e o meu tio, que engoliu o famoso sapo, acabou por morrer em cuba, ironia marxista, porque o destino é assim, troça de nós, cospe-nos na cara. morreu sem que falássemos alguma vez no Soares, depois de me tornar adulto. já o meu pai morreu por cá, cedo, também. tradições de família. somos muito disso. nenhum dos dois viu morrer o Soares, não sei o que diriam hoje. sei que preferiam o Soares ao freitas, apesar dos contratos a prazo. sei que adoravam a liberdade, cada um à sua maneira, e que ensinaram os filhos a gostar dela. sei que o Soares gostava dela, liberdade, e que homens como ele fizeram com que hoje se possa insultá-lo publicamente, chamá-lo de filho da puta para baixo, sem que se sofram consequências nem prisões. não é coisa pouca. chapeau, bochechas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 15:50



pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D