Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irmão lúcia



Segunda-feira, 28.02.11

do subúrbio para a rua do viriato, então




Desiluda-se quem pretenda ver no primeiro romance de Pedro Vieira (n. 1975) uma espécie de diário do Ruca (alter-ego a que o autor deu vida própria no blogue irmaolucia) ou, como sucede com outros, um "patchwork" de variações em torno da escrita do impronunciável. Nada disso. "Última Paragem, Massamá" é um romance de aprendizagem na linha de "Nome de Guerra" (1938), de Almada Negreiros, ou "Os Três Seios de Novélia" (1968), de Manuel da Silva Ramos. Dito de outro modo, narrativa pulverizada da cidade mítica. Não isentos de ironia, a epígrafe de abertura e os separadores reportam à derrota das legiões de Públio Quintílio Varo em Teutoburgo, no 11 de Setembro do ano 9 d.C. (não há coincidências). Romances de estreia os três: Almada, Ramos e Vieira.

Almada escreveu o seu em 1925, mas só o publicou em 1938, por insistência de João Gaspar Simões, desse modo fundando o romance moderno português. À Lisboa do primeiro modernismo ("twenties") e da guerra colonial ("sixties"), Vieira contrapõe a geração dos diplomados de "call-center": "A esta hora já os camaradas da margem sul chegaram [...] quem não está, estivesse." Respiração sincopada, jargão conforme.

Como ninguém nasce de geração espontânea, nem (ou sobretudo) as personagens de romance, Vieira faz "flashback" à semana de 1980 que viu despedaçar em Camarate "o avião do nosso descontentamento". Por esses dias abriu portas o Trumps, que mudou a noite bicha: "Enquanto o Cessna fumegava dezenas de homens eram atraídos às cercanias da escola politécnica, a tentar enlaçar pela cintura um novo mundo, um ambiente mais amniótico, mais protegido." É aqui que entra João, oleiro à espera de ser moldado à sombra dos holofotes que então incidiam num "barbeiro da Rua das Pretas" apostado em transformar o rock. Lucas entrará mais tarde (e, com ele, Vanessa), apanhado já pelo VIH, febres, suores e náuseas. Vieira dribla. Pedro Homem de Mello faz "match point" e encerra o parágrafo: "No momento em que sentiste uma picadela entre as pernas pela primeira vez à vista de um macho [...] talhaste com o teu machado..." O "Bildungsroman" pede Törless (Musil), Vieira dá-lhe "Povo que Lavas no Rio".

Com este livro, Vieira trouxe a CRIL e o IC19 à ficção portuguesa. Consequência: visto de Massamá-Barcarena ao som dos Vampire Weekend, o século XXI não cabe no perfil amável da "Architectural Digest". Por maioria de razão, Edson, Luana, Silas, Patrícia e os outros não se confundem com personagens de Waugh. Talvez Rubens Figueiredo ("Aquela é a cidade que interessa, é onde as coisas acontecem, o futuro fugiu para lá.") ou Carlos Sussekind. Afinal, o link brazuca não é figura de retórica: "O que tu precisa é de um patrão maneiro, sério, tu tem de te promover, cara."

Encharcado em literatura, nem por isso "Última Paragem, Massamá" menoriza o quotidiano da CPIS, ou Convénio Para a Infelicidade Suburbana: calimeros, evangelistas marados, redes sociais ("o que raio quer dizer um lol"), conexão heroinómana no "coração do núcleo duro Algueirão-Mem Martins", "shoppings", centros de emprego, nepotismo, maralha cabo-verdiana, stresse pós-traumático ("magalas que ficaram longe de África por intervenção de... capelões que engraçavam com cabos e se o vice-versa não se verificava fingia-se o que era necessário para não esticar o pernil..."), a tropa fandanga dos seguranças "que falam em código [e] gostam de molhar a sopa nos amigos do gadanho", paneleiros bem-posicionados e outros nem tanto, a utopia de "pôr o capital de joelhos", mamadas, tudo como num "reality freakshow" bem esgalhado.

E o "plot", cadê? Lucas, Vanessa e João são vértices de um triângulo impossível. De João já se falou. Lucas gosta de pau preto. Desfasada da realidade (Lucas não é Vronsky), Vanessa repete às 07:26h da manhã o gesto de Ana Karenina, apanhando de surpresa "os utilizadores da passagem superior pedonal da estação de Massamá-Barcarena".

Parece-me supérfluo acrescentar que a prosa está bem calibrada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 15:27


6 comentários

De fallorca a 28.02.2011 às 18:21

Já percebi; tenho de apanhar o comboio suburbano

De bloga-mos a 01.03.2011 às 01:38

Andas muito entretido com as nhanhas masturbatórias . Sobre o désain das novas faixas campeonas é que não dizes um caralhito que seja...deixa-te andar.

De Pedro Lourenço a 02.03.2011 às 09:41

Prosa calibrada, o tanas

Aquilo é um vaivém constante. Às tantas já ando de cabeça à roda.

Até agora, tem sido muito bom. Mais uns dias e acabo que isto é coisa para levar com calma.

De JML a 02.03.2011 às 11:54

Este poderia ser um gigantesco bom post mas é só um péssimo romance. O autor está sempre a aparecer no texto e a afastar os personagens da boca de cena e a dizer “Já viram como sou espertinho?” “Olhem este golpe de asa.” “Olhem agora este pinote!”. Os personagens são de papel amarfanhado, rascunhos atirados para um terceiro plano do livro porque a luz, essa, é para estar sobre o autor. É um livro de quem não tem filhos, mesmo que os tenha. Palavras a mais para uma história fraca que é usada só como oportunidade para se dizer umas coisas e tentar ter piada. A aparente convicção de superioridade civilizacional do escriba em relação aos tão vazios lugares comuns sobre a linha de Sintra é sintomática de alguém fashion a falar sobre a vida real de gente que não conhece. É o que parece. O que vale é que vai ter mais oportunidades. Daqui a uns anos na proverbial entrevista dirá “É um livro de juventude e não me revejo nele. Um livro de aprendizagem”
Ao ler esta crítica, e principalmente o que falta nela, um tipo acaba por perceber as mecânicas da vida intelecto-literária do nacional-porreirismo engajado gay. O facto deste texto ter sido publicado só se justifica com o que justifica a publicação de uma ficção de um Júlio Magalhães ou assim.
Resta desejar boa sorte para o primeiro romance a sério do autor e que este primeiro mega post tenha servido para aprendizagem.

De pedro lourenço a 02.03.2011 às 19:12

"antes o fel que o insípido, se fizerem o favor de o avalizar."

Comentar post



pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D