Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

irmão lúcia



Sexta-feira, 28.02.14

Ruca descobriu que a eurodeputada do pcp votou contra a condenação da utilização de drones para execuções sumárias.

só pode ser uma groupie da amazon.

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Pedro Vieira às 12:25


1 comentário

De job ...lázaro é este puto a 01.03.2014 às 20:08

dissabte, 1 març de 2014
BULHÃO PATO COM AMÊIJOAS E LÁZARO CÔNSUL COM MEMÓRIAS POUCO FRESCAS
JAMAIS TE PROVOQUEI.PELO CONTRÁRIO UM DIA
DEI-TE COM O MEU VOTO ACESSO À ACADEMIA
TU PAGASTE-LHE BEM!DAS TERRAS DO EXTRANGEIRO
INSULTASTE-A EM MALTEZ , VISCOSO ZOMBETEIRO
TUDO É MESQUINHO E VIL NO MEU TORRÃO NATAL!
ASSIM O DIZES TU, CONSUL DE PORTUGAL!
Bolhão Pato por Rafael Bordallo Pinheiro
Bulhão Pato, por Rafael Bordallo Pinheiro

“ Rodrigo da Fonseca Magalhães tomara conta da derrota política e seria cabido o equívoco, se derrota quisesse dizer – desbarato! O velho estadista, a meu ver, foi fatal! António Maria de Fontes Pereira de Melo manobrava ao catavento.
Moço, resoluto, ambicioso de glória e de mando; de inconcussa probidade; parlamentar eminente; insinuante nas maneiras e na figura. Um pouco mais alto que o vulgar entre nós; delgado, sadio, ativo, vontade decidida e tenaz; olhar penetrante; sempre no seu posto; sem perder jamais o aprumo e guardando restritamente as chamadas conveniências.
Apurado no trajo, acompanhando as frases cintilantes e espontâneas com o jogo da fisionomia e o gesto expressivo. Previdente. Assimilando todas as ideias que lhe pareciam úteis, e esse era o seu principal talento; confiando em si, mas conhecendo-se – não quis nunca rever um discurso; sabia que lhe faltava colorido e cunho literário. Imperativo, conquanto extremamente cortês.
Não aprecio, particularizando, os seus atos; avalio-lhe a inteligência e os dotes como homem. Tinha ânimo elevado, coração largo; nem sempre de inveja; nada de mesquinho na sua organização. Adorava a família; as nuvens políticas desfaziam-se, como ele dizia, assim que entrava no lar, onde era a afabilidade viva.
Estudou de mais o breviário de Rodrigo da Fonseca Magalhães. Tinha cegueira por aquele homem: foi o seu erro capital.
Recebeu ingratidões nefandas; nunca se vingou! Teve na vida torrentes de luz, durante mais de trinta anos, em que foi o arconte da política portuguesa; nenhuma sombra na morte, que o tomou nos braços, onde adormeceu sem contrações de agonia.
Para os que o choraram – foram muitos e eu fui um deles – morreu cedo; para a posteridade e para a glória, morreu tarde.
Já não tinha pulso com que pudesse dominar a corrente dos novos, que lhe haviam tomado as lições, que ele tivera do outro – do Raposa Começara a senti-lo amargamente, quando baqueou! E contudo, e apesar de tudo baqueou um grande homem!
Eu fiz-lhe um epitáfio, na época em que tratavam de levantar-lhe um monumento. É este:
Lutou, de aurora à noite, audaz sereno e forte;
E sorria, ao brandir a espada rutilante!
Ninguém teve mais luz no labutar constante;
Menos sombras ninguém, quando chegou a morte! “
As «Memórias» de Bulhão Pato (3 volumes, Typ. da Academia Real das Sciencias, 1894-1907) são de apetecível leitura, para quem queira conhecer o ambiente cultural e as principais figuras públicas da segunda metade do século XIX. É um reportório circunstanciado, escrito em bom português, de um memorialista que, muito mais do que poeta romântico, é hoje uma testemunha privilegiada que merece leitura atenta.
NOS MEIOS LITERATOSRaimundo António de Bulhão Pato nasceu em Bilbau e morreu no Monte da Caparica (1829-1912), viveu a sua infância no país basco sob os efeitos dramáticos da guerra civil. Em 1837, a família veio para Portugal, cansada das agruras da instabilidade espanhola, e em 1845 o jovem inscreveu-se na Escola Politécnica, frequentando, desde muito cedo os meios literários, onde conheceu Herculano, Garrett, Andrade Corvo, Latino Coelho, Mendes Leal, Rebelo da Silva e Gomes de Amorim. Com Herculano estabeleceu uma relação muito especial e intensa bem patente nas suas recordações, através das quais conhecemos muitos pormenores biográficos do historiador. Como poeta cultivou a influência romântica. A sua primeira obra é de 1850 («Poesias»), tendo publicado em 1866 a muito celebrada «Paquita» (depois de ter dado à estampa «Versos», em 1862). Herculano era generoso, mas económico. Comprado Vale de Lobos, aplicou todos os rendimentos ao custeio da propriedade rural e à edificação da casa» (…) «Azeite de prato, como é notório, era coisa que não se conhecia em Portugal. Foi Herculano quem deu a iniciativa fabricando o precioso azeite de Vale de Lobos». Bulhão Pato ensina-nos

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.



pagamento de promessas para

irmaolucia[arroba]gmail.com

teologia de pacotilha (descontinuado)

professor josé cid

o meu outro salão do reino (descontinuado)

Arrastão



Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D


subscrever feeds